O empoderamento feminino

"E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele", Gênesis 2.18

Christiane Postigo


Em uma época de forte apelo ao empoderamento feminino, existe limite para essa tendência universal? Para responder a essa questão, é necessário entender a missão de Jesus ao ser enviado à humanidade. No período em que o Filho de Deus esteve no mundo, as mulheres estavam aquém do padrão estabelecido por Deus. Vejamos, então, qual é o modelo estabelecido por Deus nos primórdios da criação:

E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele. Havendo, pois, o SENHOR Deus formado da terra todo animal do campo e toda ave dos céus, os trouxe a Adão, para este ver como lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome. E Adão pôs os nomes a todo o gado, e às aves dos céus, e a todo animal do campo; mas para o homem não se achava adjutora que estivesse como diante dele. Então, o SENHOR Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas e cerrou a carne em seu lugar. E da costela que o SENHOR Deus tomou do homem formou uma mulher; e trouxe-a a Adão. E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos e carne da minha carne; esta será chamada varoa, porquanto do varão foi tomada. Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne (Gênesis 2.18-24).


Dessa passagem, podemos extrair alguns ensinamentos com relação ao tema apresentado. O primeiro é que Deus fez a mulher para completar Adão, pois, entre os animais, não havia nenhum que pudesse ajudá-lo.

Assim, Deus criou a mulher, porém de modo diferente. Em vez de formar a mulher do pó da terra, Ele a moldou a partir da costela de Adão. Por quê? Creio que isso tem a ver com o propósito para o qual ela foi criada. Sendo essência de Adão, ela seria tão companheira dele que não se sentiria tentada a ser independente ou dividir sua atenção com projetos pessoais. Muito menos entraria na competição homem versus mulher.

Para mim, esse companheirismo é reforçado quando Deus tira um osso da costela de Adão. Já imaginou o que aconteceria se Ele tivesse tirado uma célula do cérebro de Adão para criar Eva? Ela poderia não respeitá-lo como companheiro. Talvez fosse tomada por um sentimento de superioridade, que a levaria à competição pelo comando da relação. Pensando nos dias atuais, os homens poderiam ser “atropelados” pelas mulheres! Seria uma queda de braço daquelas!

Seria como um batalhão sob as ordens de dois comandantes, ou um corpo comandando por dois cérebros ao mesmo tempo, a ponto de o corpo correr o risco de uma perna ir para frente enquanto a outra daria um passo atrás!

Também percebo que Deus não tirou um osso do pé de Adão, para que o homem não a humilhasse. Ah, se todos os homens entendessem o que o Criador sonhou para o casal... Não existiriam mais casos de violência contra a mulher! Não haveria mais mulheres oprimidas, com baixa autoestima, infelizes, pois homem e mulher se completariam em uma harmonia sem precedentes. Seriam um como foi estabelecido por Deus no princípio.

Voltando a falar sobre a missão de Jesus na Terra, Ele veio restabelecer o padrão do Reino de Deus, perdido ao longo dos anos por causa do pecado.

No próximo artigo, vamos estudar, nas passagens bíblicas, quais aspectos da mulher estavam fora do padrão do Reino de Deus e como Jesus os restabeleceu.


Com amor,

Christiane Postigo